Juliana Borin – Redes de Computadores, Pensamento Computacional, Pilates e maternidade³

Perfil Especial – Mês das Mães

Juliana Borin, natural de Palotina – Paraná. Atua nas áreas Redes de Computadores e Ensino do Pensamento Computacional. É mãe de três meninos.

Perfil

Nome completo: Juliana Freitag Borin

Data de nascimento: 06/12/1978

Onde mora: Campinas – SP

Formação: Bacharelado em Informática (Unioeste – Universidade Estadual do Oeste do Paraná), mestrado e doutorado em Ciência da Computação (Unicamp – Universidade Estadual de Campinas)

Atuação: Redes de Computadores e Ensino do Pensamento Computacional

Eu sou a Cara da Computação: Como você escolheu a área de Computação?

Juliana: No final do ensino médio minhas amigas já haviam escolhido um curso de graduação e minha única certeza era que não seguiria para a área da Saúde. No Guia do Estudante, descobri a Computação – parecia ser uma área com mercado de trabalho promissor. Na mesma época, meus pais adquiriram o primeiro PC. Foi incrível substituir a máquina de datilografar pelo editor de texto e a impressora, mas aquela máquina parecia ter um potencial maior do que eu era capaz de extrair. O empurrão final veio com o incentivo da professora de matemática. Estou certa de que não poderia ter feito escolha melhor: o dinamismo e o fato de poder interagir com outras áreas são características que me atraem na Computação.

Eu sou a cara da Computação: Como é a sua vida além do curriculum vitae?

Juliana: Sou casada e mãe de 3 meninos: Bruno (7), Gabriel (5) e Felipe (1). O nascimento de cada um foi muito especial e também rendeu ótimas histórias! O Bruno nasceu no hospital da Universidade de Stanford, nos EUA. Naquele dia, enquanto fazia alguns exames, perguntaram se eu toparia tirar algumas fotos para um material publicitário, eu aceitei e há alguns meses uma amiga recebeu um material do hospital com minha foto na capa. Durante a segunda gestação, já no Brasil, planejei um parto humanizado hospitalar, mas o Gabriel foi apressadinho e acabou nascendo em casa, embaixo do chuveiro, com o auxílio do meu esposo. A equipe médica chegou logo depois e não houve necessidade de ir para o hospital. A experiência do parto em casa foi tão boa que optei por um parto domiciliar planejado na terceira gestação. O Felipe nasceu em casa, como planejado, e foi recebido com festa pelos irmãos! Apesar da correria do dia-a-dia, reservo tempo para cuidar da saúde fazendo Pilates, uma modalidade que adoro.