Conheça a Tecnodocência e sua importância na formação de docentes

Conheça a Tecnodocência e sua importância na formação de docentes

Por Luciana de Lima e Robson Carlos Loureiro
Edição: Ticianne Darin

A Tecnodocência é um conceito relativamente novo, desenvolvido com o objetivo de discutir e fomentar o desenvolvimento de planejamentos de aula e Materiais Autorais Digitais Educacionais (MADEs), vinculados às Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs). Tudo isso em contexto interdisciplinar e construcionista, considerando-se os conhecimentos prévios dos estudantes, com a finalidade de articular a aplicação dos conhecimentos em sala de aula nos diversos níveis da Educação.

Neste artigo, você pode conhecer melhor a proposta da Tecnodocência, as iniciativas em torno do tema e como aplicar os seus princípios, além de refletir sobre a necessidade da ressignificação do que é ser professor no século XXI.

O que é Tecnodocência?

Compreende-se que a utilização de computadores, tablets, smartphones, internet tem se difundido cada vez mais na sociedade mundial. No entanto, o uso de equipamentos e recursos digitais são pouco utilizados nas salas de aula das escolas, bem como nos cursos de Formação de Professores, sejam eles de formação inicial, continuada ou em serviço. Esses profissionais, portanto, são pouco preparados para utilizar as ferramentas computacionais em seu ambiente de trabalho, principalmente quando voltados para os processos de ensino, aprendizagem e avaliação (GATTI, 2014).

    Por outro lado, a forma como o professor utiliza as Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) demonstra o tipo de metodologia que comumente utiliza em suas aulas (COLL, 2009). O que prevalece, na maioria das vezes, é a utilização de aulas expositivas, mesmo diante das possibilidades de inovação metodológica contempladas pelas TICs (PAPERT, 2008).

    A Tecnodocência, desenvolvida desde 2013 e formalizada em 2015, vem com o objetivo de possibilitar aos professores da Educação Básica e Ensino Superior, em seus processos formativos, uma ampliação do arcabouço teórico sobre o uso e o desenvolvimento de TICs na docência, além de mobilizá-los para o desenvolvimento de didáticas e metodologias inovadoras fazendo uso das TICs em sua prática profissional.

    Dessa forma, desenvolveu-se o conceito de Tecnodocência definido como:

A integração entre docência e TICs com base epistemológica interdisciplinar e transdisciplinar por meio da utilização dos conhecimentos prévios do aprendiz (professores e alunos) para o desenvolvimento de uma reflexão crítica sobre os processos tramados de ensino, aprendizagem e avaliação.

LIMA, L.; LOUREIRO, R. C. Tecnodocência: concepções teóricas. Fortaleza: Edições UFC, 2019.

O conceito de Tecnodocência toma por base:

  • a Teoria da Aprendizagem Significativa, diante da valorização e da utilização dos conhecimentos prévios do aprendiz (AUSUBEL; NOVAK; HANESIAN, 1980);
  • o Construcionismo, por meio da valorização da construção do conhecimento mediante a relação que estabelece com o uso das TICs (PAPERT, 2008);
  • a Interdisciplinaridade, diante da ampliação de possibilidades didático-metodológicas da atuação de dois ou mais professores de áreas diferentes concomitantemente em sala de aula por meio de aprendizagens mútuas (JAPIASSU, 2006);
  • o Biopoder para que se tenha um caminho de entendimento sobre as forças políticas que atuam sobre os sujeitos (professores e alunos) (FOUCAULT, 1988); e
  • a Filosofia da Tecnologia como base de compreensão epistemológica crítica sobre os artefatos tecnológicos disponibilizados pelos desenvolvedores e passíveis de modificação a partir da força dos usuários para impor sua apropriação e interesse (FEENBERG, 1995).

Os princípios da Tecnodocência

Para possibilitar uma ação mais concreta por parte dos professores que pretendem utilizar o conceito da Tecnodocência em suas práticas de ensino, aprendizagem e avaliação, são elencados 10 Princípios:

(LIMA; LOUREIRO, 2019)

Destaca-se, nesse sentido, a necessidade de os professores transformarem sua compreensão sobre docência ao repensarem suas práticas profissionais diante do uso e do desenvolvimento das TICs (Princípio 9). Por outro lado, espera-se que as TICs também sejam impactadas por transformações, uma vez que os professores apresentam suas necessidades específicas como docentes e aprendizes que podem mobilizar inovações no desenvolvimento de recursos digitais voltados para atender essas especificidades (Princípio 10). 

Onde a Tecnodocência tem sido aplicada?

A proposta da Tecnodocência tem sido aplicada em Formações de Professores dentro e fora da Universidade Federal do Ceará (UFC) por meio do desenvolvimento de ações de Ensino, Pesquisa e Extensão. Em termos de Ensino, foram criadas duas disciplinas abertas como optativas para todas as Licenciaturas e para o Bacharelado em Sistemas e Mídias Digitais na UFC envolvendo as modalidades presencial e a distância: Tecnodocência e Tecnodocência EaD. Os alunos trabalham em grupos interdisciplinares para desenvolver ideias e produtos que contemplem o uso das TICs no âmbito da docência. Produzem Materiais Autorais Digitais Educacionais (MADEs) e Planos de Aula que são posteriormente aplicados em aulas reais com alunos de escola pública. Até o momento já foram concluídas 14 turmas, com a 15ª em andamento.

Exemplo de MADE sobre Jogos e a estrutura narrativa da Jornada do Herói

Em termos de Pesquisa, além da abertura do Grupo de Pesquisa Tecnodocência em 2016, foram desenvolvidos 6 projetos vinculados ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e o Projeto Universal (edital 2016) diante do fomento do CNPq. As pesquisas originaram produções científicas relevantes como artigos em periódicos, eventos internacionais, capítulos de livro, orientações, produção acadêmica, além da publicação do livro Tecnodocência: concepções práticas e teóricas (LIMA; LOUREIRO, 2019).

Os resultados das pesquisas sobre o uso e o desenvolvimento das TICs por professores revelam a necessidade de processos formativos que valorizem e utilizem as TICs não só para o estabelecimento de uma conexão mais significativa com os processos da docência, mas, sobretudo, para uma ressignificação do que é ser professor no século XXI.

Em termos de Extensão, diante da concretização do laboratório de Tecnodocência, foi possível estabelecer parcerias com escolas públicas, abrindo espaços para a aplicação dos preceitos da Tecnodocência por meio de cursos, projetos e eventos. São computadas 10 ações de extensão que possibilitam a construção de MADEs pelos estudantes, grupos de estudos sobre Tecnodocência com professores, cursos presenciais e a distância para estudantes e alunos aprenderem a utilizar as TICs para aprendizagem e ensino, e, eventos abertos a professores que produzem academicamente, como o Encontro de Tecnodocência ocorrido entre os anos de 2015 a 2018. Você pode ler mais sobre isso na Coluna Extensão.

A proposta da Tecnodocência vem sendo premiada desde 2016 em Eventos Científicos, dentre eles, o Prêmio Rubens Murillo Marques promovido anualmente pela Fundação Carlos Chagas, destacando a proposta inovadora que possibilita a utilização e o desenvolvimento das TICs na Formação de Professores, com ênfase na formação de licenciandos.

A Tecnodocência está presente nas redes sociais, em especial Facebook, Instagram e SoundCloud. Disponibiliza um blog de recursos interativos aberto ao público com destaques para aplicativos que podem ser utilizados na aprendizagem e na docência, um canal no YouTube para compartilhamento de vídeos produzidos no laboratório.

Podcast: O que é Tecnodocência

Além disso, o site da Tecnodocência apresenta explicações sobre os conteúdos abordados nos âmbitos do Ensino, da Pesquisa e da Extensão, com direcionamentos para os espaços virtuais abertos ao público. Dessa forma, os conhecimentos desenvolvidos, bem como as experiências vivenciadas podem ser compartilhadas com todos aqueles que se interessarem pela temática TICs e Docência, sobretudo, para serem utilizados e desenvolvidos na Formação de Professores.

Referências:

AUSUBEL, D. P, NOVAK, J. D., HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

COLL, César. Aprender y enseñar con las TIC: expectativas, realidad y potencialidades. In: CARNEIRO, Roberto; TOSCANO, Juan Carlos; DÍAZ, Tamara. Los desafíos de las TIC para el cambio educativo. Madrid, España: Fundación Santillana, 2009. p. 113-126.

FEENBERG, A. Alternative Modernity: the technical turn in philosophy and social theory. Berkeley: University of Califórnia Press, 1995.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GATTI, Bernadete. A Formação Inicial de Professores para a Educação Básica: as Licenciaturas. Revista USP, n. 100, p. 33-46, 2014.

JAPIASSU, H. O sonho transdisciplinar e as razões da filosofia. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

LIMA, L.; LOUREIRO, R. C. Tecnodocência: concepções teóricas. Fortaleza: Edições UFC, 2019.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Sobre os autores

Luciana de Lima é doutora em Educação (UFC), Professora DE Adjunta do Instituto Universidade Virtual (UFC), Mestre em Educação (UECE), Especialista em Tecnologia (IFCE), Especialista em Psicopedagogia (UVA), Licenciada em Matemática (UFC), Líder do Grupo de Pesquisa Tecnodocência cadastrado no Diretorio do CNPq. Experiência na área de Tecnodocência, Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs), Formação de Professores, Formação de Licenciandos, Aprendizagem Significativa, Mapas Conceituais, Interdisciplinaridade, Construcionismo, Educação Matemática e Ensino de Ciências. Email: luciana@virtual.ufc.br.

Robson Carlos Loureiro é doutor em Educação (UFC), Professor DE Associado do Instituto Universidade Virtual (UFC), Mestre em Educação (UFC), Graduado em Pedagogia (UFRGS). Foi professor e coordenador de Educação a Distância e assessor da Vice-Reitoria de Graduação da Universidade de Fortaleza. Pesquisador do Grupo de Pesquisa Tecnodocência. Experiência na área de Filosofia da Tecnologia e Corpo, Tecnologia e Filosofia, e, Comunidades Virtuais de Aprendizagem. Email: robson@virtual.ufc.br 

 

 

Compartilhe e curta: